Fresno abriu seu INVentário e a gente vai ter que se virar

 

Nunca foi tão bom ser emo. (Foto: Reprodução Instagram/Fresno) 

45 dias. O que – ou melhor, o quanto – você consegue fazer nesse período? Um mês e meio. Pare, reflita. Sendo um artista, quantas obras você se vê lançando em um intervalo de 6 semanas? Um álbum de 8 músicas, talvez?

A Fresno lançou um INVentário. Um inventário de 21 faixas totalmente diferentes, com parcerias múltiplas e diversas.

Aliás, em 24 de agosto a banda anunciou a saída do Mario, tecladista da banda há 11 anos. Nesse mesmo anúncio, ao final, a banda anunciava que abriria seu INVentário. Lembro-me bem da surpresa dupla: “MEU DEUS, como assim o Mário tá sain-PERA AÍ, VAI TER ÁLBUM?”. Era mais que isso.

A primeira faixa foi lançada 6 dias depois, a INV001, também conhecida como “12 WORDS 30000 STONES”, em parceria com Arthur Mutanen, Chediak e Adieu. O emo da década passada elevada ao máximo. Bate forte. Mas se achou que isso ditaria o tom do INVentário, enganou-se.

Entre as faixas seguintes: remix de “Sua Alegria Foi Cancelada”, feat. com o Magic of Life que mais parece uma abertura épica de anime que tomou as playlists japonesas, parcerias com Tuyo e Terno Rei e “Agora Deixa”, a segunda música de Fresno para a Hora H (segundo o próprio Lucas, acompanhando Astenia), e o melhor: o INVentário se mostrou também um baú. Mas não um baú que se contenta em guardar as coisas velhas e conservá-las como são. Um baú que se abre a quem o utiliza e oferece novas versões do que já se conhece: as novas versões de “6h34” e “Diga, Parte 1” (agora finalmente em estúdio!) são o destaque.

Se a intenção era dar amplitude às possibilidades sonoras da banda, o trabalho do projeto foi mais que bem feito. Há faixas para todos os gostos e até idiomas, e nada ali é aleatório. É como uma doação. A banda trouxe os fãs pra perto, pra dentro da sua biblioteca de músicas. Passear pela mixtape dá essa sensação de quem está em um museu moderno de obra viva, conhecendo tudo que a Fresno é capaz de fazer, sempre se atualizando e experimentando.

Tudo isso já parece muito – e é – mas a banda ainda achava pouco. Gerou expectativa para 21ª faixa, a INV000, que trouxe, no dia 13 de outubro, nada mais, nada menos, que um anúncio de novo álbum. “Vou Ter Que Me Virar” viria menos de 1 mês depois, abrigando, inclusive, as faixas “Agora deixa” e “6h34 (Nem Liga Guria)”. Surpresa, surpresa, surpresa. Fresno não parou no segundo semestre de 2021, e assim deve se seguir com o lançamento do novo álbum e o retorno gradual das festividades. A banda, inclusive, está no lineup do Lollapalooza que acontece ano que vem (ALGUÉM ME LEVA!!!).

O emo nunca esteve tão vivo. O que fazer com tanto? O que fazemos de melhor: sentir, vivenciar. Quanto ao resto, Vou Ter Que Me Virar.


Preferidas do autor:

INV002: O SONHO É A SENHA; INV005: ONTEM FOI DIFÍCIL; INV009 – VALA COMUM; INV010 – ASMA; INV014 – EU INVENTEI VOCÊ; INV015 – DIGA, PARTE 1; INV020 – AGORA DEIXA.
Matheus Couto
Matheus Couto

Para saber mais sobre o/a autor/a, acesse a aba "Quem Somos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilha sua opinião! ♥

Autoria de Clube do Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.