EM CARTAZ: O Beco do Pesadelo (2021)

(Imagem: Divulgação/Searchlight Pictures)

Guillermo del Toro já é um nome bem conhecido entre nós, vindo de obras cinematográficas como a saga Hellboy, o magnifico O Labirinto do Fauno e o oscarizado A Forma da Água, ele traz mais uma obra belíssima este ano. Indicado a quatro categorias do Oscar 2022, incluindo o de Melhor Filme, Nightmare Alley ou O Beco do Pesadelo como chegou ao Brasil, é um remake de um filme de mesmo nome de 1947, que já é uma adaptação do romance homônimo de William Lindsay Gresham de 1946.

Com um elenco estrelar de primeira linha, del Toro traz a história de Stanton Carlisle ou apenas Stan (Bradley Cooper), um cara interesseiro e ambicioso que faz tudo pra conseguir o que quer. O filme começa em 1939, com Stan colocando fogo em sua casa e colocando um corpo para dentro, e em seguida arrumando emprego em um circo. Quando o circo perde sua atração intitulada de "O Selvagem", Clem (Willem Dafoe) o convoca para encontrar um novo cara que seja alcoólatra e perdido, para ser usado nesse que é uma das atrações mais doentias do circo.

Ao se envolver com a clarividente Madame Zeema (Toni Colette), Stan começa a aprender seus truques e como ela e o seu marido, Pete (David Strathairn), usam de códigos e uma linguagem própria para enganar seu público. Stan começa a aprender aos poucos sobre a pratica da "clarividência" e como utilizar no dia a dia para conhecer as pessoas. Em meio tempo, ele se interessa por Molly (Rooney Mara) e se aproxima dela, propondo que ambos saiam daquele local. Quando sem querer Stan entrega a garrafa de álcool errada para Pete e ele morre, dá inicio ao seu plano e juntos eles vão embora do circo.

(Imagem: Divulgação/Searchlight Pictures)

Dois anos se passam, Stan se tornou um grande psíquico, atraindo bastante gente para seus shows. Molly se tornou sua fiel companheira e amante, sendo seu alicerce e aguentando seus dias de frustração. Tudo muda quando em suas vidas aparece a psiquiatra Lilith Ritter (Cate Blanchett), que com seu jeito de femme fatale, atrai Stan para um jogo que dois podem jogar.

Intimado por um grande nome da cidade para uma consulta particular psíquica, Stan corteja a Dra. Lilith para entrar no seu jogo, onde ela passa informações de seus pacientes mais ricos e ele usa seu "dom" para conseguir dinheiro para ambos. Em troca, ela pede apenas que ele se consulte com ela e seja honesto. Tudo caminha bem, mas a ganância de Stan o leva a lugares bastantes obscuros que pode fazer ele perder tudo.

Trazendo um final pessimista, onde o nosso protagonista vê tudo ruir na frente dos seus olhos. O filme aposta em trazer o brilho de Bradley Cooper em cena. Devo dizer que não sou o maior fã do Cooper como ator, mas o trabalho feito dele em cena foi bastante competente. A cena final desse filme trouxe esse lado bastante estelar, onde ele impregnou um jogo de atuação digna de uma indicação a prêmio. Em sua fixação por fama, ele viu a queda maior do que a sua viagem ao topo.  

O Beco do Pesadelo ou O Beco das Almas Perdidas, como é intitulado em seu filme original no Brasil, é um filme que traz uma carga pós-guerra infiltrado em suas linhas e emocional. É a degradação humana mostrada de forma literal e visceral. Até onde você pode ir pra conseguir o que quer? E após a queda, o que você pode se tornar? Dentro dessa história você encontra vários caminhos que nossos personagens são empurrados a tomar e alguns eles tomam por libre arbítrio, os fazendo cair em um buraco sem fim.

Em comparação ao seu filme de 1947, a nova versão de O Beco do Pesadelo transparece uma cor mais clara e não estou falando apenas por ser uma comparação entre o preto e branco e o colorido. Tendo sido lançado apenas um ano após a Segunda Guerra Mundial, você assiste ali um mundo em reconstrução, tendo a destreza em passar para as suas cenas um vazio em certos momentos, por mais que exista ali uma vontade de crescer. O personagem Stan não é um herói, tendo seu protagonismo o seu próprio antagonismo.

O diretor fez seu filme de forma independente da existência de outra versão, tanto que por mais que a similaridade seja dada devida a existência de um romance original, as duas versões cinematográficas finalizam suas histórias de formas distintas. Tanto que além de dirigir, del Toro foi roteirista e produziu, tendo controle total de suas ideias aqui.

O elenco aqui é de primeira grandeza que, além dos citados acima, possui Ron Perlman (Hellboy), Richard Jenkins (A Forma da Àgua), Mary Steenburgen (Alguém Avisa?), Jim Beaver (Supernatural), entre outros. Outro fator importante dessa obra é sua fotografia, coisa que sempre é apresentada de forma magnifica nas obras do del Toro. Aqui, mais uma vez, temos uma composição magnifica.

O Beco do Pesadelo está disponível nas melhores salas de cinema.


Nota: 8/10

Confira o trailer abaixo:

Adan Cavalcante
Adan Cavalcante

Para saber mais sobre o/a autor/a, acesse a aba "Quem Somos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilha sua opinião! ♥

Autoria de Clube do Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.