Peacemaker: a paz reina entre os DCNautas


Aclamada por público e crítica, a série foi a mais vista em janeiro dentre os streamings. (Divulgação/HBO MAX)

O Peacemaker de John Cena, apresentado no Esquadrão Suicida dirigido por James Gunn, foi, sem dúvidas, o personagem mais odiado daquele filme por determinadas escolhas. Era esperado então que, quando se anunciou uma série derivada exclusiva para o personagem, a recepção da notícia não fosse lá das melhores, uma vez que tantos outros personagens julgados “mais carismáticos” podiam ter seu enredo abordado em um produto exclusivo.

Mas, James Gunn, que também escreveu e dirigiu a série – em sua retomada pós-cancelamento – fez o inesperado (ou talvez, o esperado): calou a boca de boa parte dos fãs. Com os três episódios de estreia lançados na HBO Max no início deste ano, ainda era possível relutar – exceto pela abertura da série, única (e que possivelmente vai ter que ser mudada em algumas coisas para a segunda temporada já confirmada, se você já assistiu e sabe bem). Nos episódios seguintes, todo mundo se viu pego na rede: estávamos todos presos ao enredo, que mistura a comédia e ação como James Gunn sabe bem fazer, dando a sua assinatura na trilha sonora que acompanha as cenas que, outrora, acharíamos das mais bregas possíveis.

Até o impossível aconteceu aqui: nos vimos afeitos ao personagem principal, que há muito pouco tempo detestávamos, e também aos seus colegas de empreitada, todos com seu carisma exclusivo – destaque para o Vigilante, parceiro mais inesperado. As temáticas obscuras aqui não ficam tão obscuras, mas com tudo feito de um modo único e singelo que diferencia Peacemaker de alguns modelos padrões de série de “super-herois”, ainda que ele não seja exatamente um.

Uma temporada redonda, de 8 episódios, que coroa o seu grande final com participação de parte da Liga da Justiça, com cameos de Jason Momoa e Ezra Miller, inserindo a série de vez nesse novo formato da DCEU de lidar com seus produtos – episódio esse que foi o mais visto em um único dia, com quase 50% a mais de audiência que os seus primeiros na HBO Max, plataforma que abriga os derivados da DC.

De sua forma, a série cravou uma marca, sendo aclamada por público (para além dos DCnautas) e crítica, firmando um pé entre os produtos mais aclamados da DC, garantindo uma segunda temporada e até possíveis novos derivados com assinatura do James Gunn e elevando a empreitada de John Cena na atuação (e produção!) a outros patamares.

A maior série de streaming de janeiro deixou o patamar alto para os próximos passos dos derivados de super-herói como um todo. E a paz reina entre os fãs da DC – resta saber até quando.

Nota: 10/10

Onde assistir? HBO Max

Matheus Couto
Matheus Couto

Para saber mais sobre o/a autor/a, acesse a aba "Quem Somos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilha sua opinião! ♥

Autoria de Clube do Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.