Aterrorizadan: Basket Case (1982)

(Imagem: Divulgação/Basket Case Productions Inc.)

Um garoto chega na cidade grande e se hospeda em um hotel de quinta categoria, onde os mais variados tipos de pessoas habitam. Carregando uma boa quantidade de dinheiro, ele paga sua estadia e direciona-se ao seu quarto. O garoto leva consigo apenas sua mochila e uma cesta. Isso mesmo, uma cesta. A curiosidade de todos ecoa pelo local: “O que tem nessa cesta?”.

Lançado há exatos 40 anos, Basket Case ou O Mistério do Cesto, trazia em sua premissa um garoto normal chamado Duane (Kevin Van Hentenryck) e seu segredo. Considerado um clássico trash, o filme foi escrito e dirigido por Frank Henenlotter, que trouxe outra obra-prima do gênero, Brain Damage. Com um orçamento bem simples de 35 mil dólares, o filme ganhou o público graças ao advento do home-vídeo, que popularizou várias obras que passaram despercebidas no cenário.

O filme embarca em uma trama de vingança liderada não pelo nosso protagonista, mas sim pelo o que ele carrega em sua cesta. Dentro da caixa temos o Belial, uma forma deformada de massa que viria a ser seu irmão gêmeo. O que ocorre é que, durante a gestação da mãe deles, o gêmeo monstruoso acabou se anexando a Duane, numa espécie de gêmeo xifópago. O pai, não aceitando essa situação, contratou uma equipe médica que, clandestinamente, retirou o Belial e o descartou em uma lixeira próxima de casa como lixo cirúrgico.

O que eles não contavam era que a ligação dos irmãos iria além, fazendo com que ambos começassem a conversar telepaticamente. Após se vingar do médico que fez a separação, eles rumam a Nova York para continuar sua estrada de sangue, recheada de momentos marcantes. A punição dos que lhe fizeram mal vai ser dilacerada pela mão extremamente forte do irmão da cesta. O problema começa quando, na cidade grande, Duane começa a instigar sentimentos por uma garota chamada Terri (Terri Susan Smith), o que pode levar a uma quebra na ligação dos irmãos.

Com personagens cativantes, o filme é guiado mais por essa força do que seu roteiro ou sua capacidade de assustar. Com essa história de outsider e um dos personagens mais marcantes do cinema trash, a obra conseguiu acarretar mais duas sequências: Basket Case 2, de 1990 e Basket Case: The Progeny, esse de 1991. A cada continuação o nível de trasheira ia evoluindo a um ponto que nem eu consigo nomear aqui. Inclusive, o primeiro filme, em seu primeiro lançamento teve as cenas de mortes mais suavizadas para trazer a comédia como ponto principal. Tempos depois, o diretor recolocou as cenas e as lançou como uma “versão do diretor”. O SnyderCut desde sempre fazendo sucesso.

Garantir que vocês vão gostar de Basket Case, não posso. Mas posso afirmar que se vocês colocarem pra assistir com um grupo de amigos, em um sábado à noite e uma pizza gostosinha, a diversão é certa. Infelizmente o filme não está disponível em nenhum dos streaming que eu conheço, mas vai no YouTube que você encontra lá toda a trilogia – e na grande locadora mundial também.

Nota: 7/10


PS: Esse filme marcou muito amizade minha com uma amiga virtual chamada Nayane. Dedico a você esse textinho e a todos que faziam movie night pelo finado MSN.

Adan Cavalcante
Adan Cavalcante

Para saber mais sobre o/a autor/a, acesse a aba "Quem Somos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilha sua opinião! ♥

Autoria de Clube do Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.