Lavagem de dinheiro? Não, apenas o filme Morbius

(Imagem: Divulgação/Sony Pictures)

Desde dos últimos anos, a categoria filme de super-herói tem tomado um rumo enorme na história do cinema. Recordes atrás de recordes. Só na lista de maiores bilheterias do cinema, quatro são de filmes baseados em personagens de HQ’s, todos da Marvel. A marca que, desde o lançamento de Homem de Ferro lá em meados de 2008, vem expandindo seu Universo Cinematográfico.

Como tudo que dá certo, não era de se espantar que outras empresas/marcas buscassem o sucesso, criando seus próprios universos cinematográficos, tal qual o da Marvel. A Sony Pictures, que possui um dos personagens mais famosos da Marvel, o Homem-Aranha, busca sua criação desde o retorno da franquia do cabeça de teia em 2013, quando o Andrew Garfield interpretou o Peter Parker pela primeira vez. Não foi o sucesso esperado e, após o segundo filme, a empreitada foi deixada em stand-by. Mas ali nascia um projeto de lançar vários spin-offs de personagens que compõem o domínio do aracnídeo.

Quando o projeto foi abandonado em 2015, a Sony fez uma parceria com a Marvel Studios, compartilhando a guarda do Homem-Aranha, o que fez com que o amado herói fizesse parte do UCM, participando de seis filmes, sendo protagonista de três deles. O sucesso disso fez com que a Sony voltasse os olhos para os spin-offs e inaugurasse o Universo Homem-Aranha. Venom foi o primeiro em 2018, estrelando o Tom Hardy. O filme fez bem nas bilheterias, o que não levou muito tempo para confirmar o segundo filme que veio durante a pandemia em 2021 – nenhum desses filmes podem ser considerados bons filmes, por mais que, o primeiro seja até divertido.

Após vários adiamentos, um dos filmes que foi anunciado para esse universo foi o do personagem Morbius, inimigo do Homem-Aranha que, sofrendo de uma grave doença sanguínea, tenta uma cura milagrosa, o afligindo e transformando-o em uma forma vampiresca. Estrelado por Jared Leto, que já há algum tempo vem enfrentando fracassos em sua carreira, o filme desde seu anúncio é visto de maneira duvidosa, principalmente após os dois primeiros filmes do Venom.

Desde seu início, o filme passa uma imagem de algo genérico. Você não compra a história de Michael Morbius (Jared Leto), porque ele é um personagem sem carisma, sem uma trama convincente e, mais uma vez, temos uma atuação fraca e exagerada do ator. Matt Smith, que aqui vive seu antagonista, tinha tudo também pra brilhar, mas acaba tendo uma presença enfadonha. Durante 1 hora e 44 minutos, somos brindados com uma tentativa de imitar regras criadas pelo MCU, que mesmo quando erra, ainda assim traz um divertimento. Morbius apenas erra. Um filme sem personalidade alguma, que traz um elenco que nem queria estar ali, com toda certeza. Não vou nem adentrar no talento do Jared Harris, que é um grande ator e isso nem se discute, vivendo aqui o mentor do Michael e do Milo (Matt Smith), que não me entra na cabeça ele lendo o roteiro e achando algo filmável.

Jared Leto precisa desistir da tentativa de hitar no cinema de adaptações de hqs. Seu Coringa já é odiado, e mesmo com a Snyder Cut, que corrigiu vários erros, não deu um momento de grandeza para ele. Novamente, ele não acrescenta em nada no personagem, diferente do Tom Hardy e seu Eddie Brock/Venom, que tem carisma no meio de um filme medíocre.

A tentativa de linkar essa trama e esse universo com o que é apresentado na Marvel Studios simplesmente não convence. Parece que pegaram um personagem e acharam que seria interessante trazer para essa trama, que os fãs iriam gostar. Pelo menos pra mim, serviu para passar raiva. A introdução do Abutre do Michael Keaton não faz sentido. Principalmente após os acontecimentos de Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa, em 2021, que quando é trazido aqui, não encaixa. Mesmo assim, o Michael Keaton tá formidável como sempre, incorporando novamente o personagem que ele viveu em Homem-Aranha: De Volta Para Casa, em 2017.

Ao finalizar o filme, a única coisa que me vinha na cabeça era a crítica da jornalista Isabela Boscov. Eu concordo que aqui só pode ser divida de jogo, que não existe algum multiverso em que esse roteiro seja bom. A Sony já confirmou que mais personagens do mundo do Homem-Aranha vão ganhar seu próprio filme, inclusive a continuação de Venom, e ano que vem onde já está garantido Kraven, O Caçador.

Nota: Dó.
Adan Cavalcante
Adan Cavalcante

Para saber mais sobre o/a autor/a, acesse a aba "Quem Somos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilha sua opinião! ♥

Autoria de Clube do Café da Manhã. Tecnologia do Blogger.