Padam? Padam: como uma batida de coração reanimou uma carreira de 35 anos



Se você, assim como eu, estava ligado nas redes sociais nos últimos dias, é possível que tenha visto a palavra Padam por aí. Seja no Instagram, Twitter ou TikTok, a "Padamia" é o resultado de uma enxurrada de memes, comentários e vídeos envolvendo o assunto, vindos até de empresas e marcas mundiais. Porém, caso você não saiba o porquê, nem como isso surgiu, é importante dizer que há um motivo para todo esse frisson: Padam Padam, primeiro single do novo álbum da cantora australiana Kylie Minogue, que foi lançado no último dia 18 de maio e vem chamando a atenção dos amantes de música pop.


Nesse momento, você pode estar se perguntando quem é essa cantora, já que seu nome não é tão conhecido no mundo da música. Em resumo, Kylie Minogue é uma artista que iniciou sua carreira ainda criança no final dos anos 70. Até 1988, ela atuou em várias novelas e séries australianas, obtendo maior sucesso no país ao atuar como Charlene Mitchell na novelinha Neighbours.

Mas, em 1987, a carreira e o mundo dela mudaram completamente quando entrou no mundo da música, já alcançando altas posições na Austrália com sua versão do hit dos anos 60 Locomotion. Posteriormente, seu nome ganhou mais notoriedade ao estrear I Should Be So Lucky, seu primeiro single a nível mundial, que conquistou o primeiro lugar nas paradas britânica, australiana e irlandesa. Aqui no Brasil, esta até ganhou versão da Simony com o título "Acho que Sou Louca".

O que importa mesmo é que, a partir desse momento, a carreira de Kylie passou por vários altos e baixos. Aperfeiçoando sua imagem, ela enfrentou alguns momentos difíceis com a mídia e público nos anos 90, mas não desistiu. Seu maior pico de sucesso, certamente, veio entre 2001 e 2002, no lançamento de Can’t Get You Out of My Head, primeiro single do álbum Fever. Essa música tocou em, praticamente, todos os lugares do planeta, e se você vivenciou o ano de 2002 (e ouvia bastante o rádio), com certeza já deve ter escutado o “la la la” inconfundível dela.




Hoje, após 35 anos de carreira e com recentes 55 anos de idade, as coisas se acomodaram um pouco. Kylie passou por um câncer de mama, por trocas de gravadoras e alcançou um status de lenda musical pelos tabloides com vendas de álbuns superando 80 milhões de cópias. Ela continua lançando álbuns, porém não alcança tanto sucesso mundial quanto antes, e o preconceito com a sua idade no meio pop é um grande fator para isso.

As rádios deixaram de dar uma atenção significativa a seus singles, e os álbuns conseguem boas posições nos principais mercados aos quais ela se destina devido aos lançamentos físicos, como CDs, vinis e fitas cassetes. Essa estratégia, vista até como antiquada em razão do peso absurdo dos streams nas plataformas de áudio em comparação às vendas de materiais físicos, parece funcionar bem para ela, que obteve um recorde em 2020 no Guinness Book como “a primeira artista feminina a emplacar, pelo menos, um álbum em primeiro lugar em cinco décadas diferentes no Reino Unido”.

Bom… Tudo parecia ter se estabilizado e até a Kylie já tinha admitido não se preocupar tanto com posições de suas músicas nas paradas quanto antes. Nesse momento, eu tenho que admitir que sou fã dela desde 2014, então até eu já tinha desencanado de ver qualquer barulho com seu nome nas redes sociais. Eu nunca havia passado por algo próximo ao seu momento de maior sucesso em 2002… Até agora.

Lembro que quando a Kylie anunciou Padam Padam como primeiro single de seu novo álbum, intitulado Tension, o que chamou a atenção de início foi seu título. O termo Padam tem vários significados, mas neste contexto em específico representa a batida de um coração, sendo também uma referência à música homônima de Edith Piaf.

Esse anúncio veio com um trecho rápido, que mostrava a sonoridade eletrônica tão aguardada por vários fãs há anos, que já começaram a divulgar o conteúdo nas redes sociais. Com essa propagação, pessoas de fora do fandom abraçaram a música e os memes começaram a surgir. A movimentação chegou a tal ponto que até marcas divulgaram o single e a artista, destacando-se a Skol, Claro Brasil, Magazine Luíza e Shopee. E, assim, soubemos que Kylie Minogue estourou a bolha da música pop mais uma vez.


Só para ter uma noção, Padam Padam conseguiu feitos inacreditáveis para uma carreira tão longeva. A música figurou entre as 30 mais vendidas da semana no Reino Unido e entre as 40 na Austrália, principais mercados de Kylie, posições estas que ela não conseguia desde 2014 e 2012, respectivamente. Rádios importantes a incluíram na sua programação e o nome “Kylie Minogue” permaneceu nos Trending Topics do Twitter Brasil por mais de 48 horas.

E mais resultados estão por vir, já que a música continua subindo em posições no Spotify do Reino Unido, Austrália e Irlanda. Mesmo que ela não precise provar mais nada, é seguro dizer que essa "batida de coração" reanimou uma carreira longa, que já tinha seus recordes e momentos de excelência, de modo repentino, acelerado e inesperado.

O que virá pelo futuro, não sabemos totalmente ainda. A artista anunciou um CD físico contendo o single e uma versão estendida na última semana, em uma tentativa de aumentar ainda mais as vendas. Mais performances da música são esperadas, já que a única feita por Kylie até agora aconteceu no palco do American Idol uma semana atrás. Em entrevistas e vídeos publicados nas redes sociais, ela já está feliz com o alcance e os memes produzidos, e pede cada vez mais engajamento em seus materiais.

Nós, fãs de música pop, torcemos por resultados cada vez melhores, tanto de vendas quanto de qualidade. Padam Padam foi uma boa amostra do que pode vir pela frente no Tension, que tem o lançamento marcado para o dia 22 de setembro deste ano. Ao que parece, essa nova era tem tudo para contradizer seu título: em questão de sucesso, não há "tensão" alguma à vista.

Luiz de França
Luiz de França

Para saber mais sobre o/a autor/a, acesse a aba "Quem Somos".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Compartilha sua opinião! ♥